19/02/20

Guia online de empresas

Como cuidar da audição?

05/11/2013

De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), 360 milhões de pessoas no mundo sofrem de perda auditiva incapacitante. Aqui no Brasil, 5,2% da população tem esse tipo de deficiência e, desses, 15% a 20% tem zumbido (Sociedade Brasileira de Otologia).

 

Não queremos aumentar esse número, não é?

 

Os problemas auditivos fazem parte do processo de envelhecimento, mas também podem estar associados a fatores que também interferem na saúde geral: tabagismo, consumo excessivo de álcool, exposição a ruídos altos, recorrentes infecções de ouvido, diabetes, problemas cardíacos e ou fatores genéticos.

 

 

Fumo

 

O cigarro é responsável por 1/3 dos problemas auditivos, pois sua fumaça tóxica rompe vasos sanguíneos do ouvido interno alterando sua capacidade de transmitir as vibrações e estimular, assim, os nervos auditivos e o som chegar até o cérebro (Tabacco Control – EUA). Esse problema atinge também os fumantes passivos, pois ficam expostos à fumaça também. Além disso, os riscos de doenças cardíacas e câncer de pulmão!

 

CIGARRO, TÔ FORA!

 

 

Beber

 

Uma taça de vinho tinto/suco de uva diariamente é saudável ao coração e à audição, pois o “resveratrol” presente nas uvas vermelhas possui efeito anti-inflamatório e antioxidantes no organismo.

 

Por outro lado, os excessos de bebida podem destruir o fígado, sua capacidade do cérebro interpretar o som das frequências graves e criar um ambiente tóxico no ouvido interno. Estudo feito em Santa Maria (UFSM), 2007 revelou que 67,57% dos indivíduos que usaram álcool mudaram suas respostas auditivas após o consumo. Além de interferir em todo sistema do equilíbrio.

 

 

Excesso de ruído

 

Você que trabalha na empresa sabe que não devemos ficar expostos a ruídos acima de 80 dB (decibéis) por mais de 8 horas. Para tanto, o ruído a que ficamos expostos fora da empresa são mais prejudiciais, pois não usamos nossos protetores auditivos em festas, shows ou para curtir o som nos nossos carros. Pois é, 30% a 35% das perdas auditivas são devida à exposição ao ruído excessivo. Um grande risco são os usos de MP3 e Ipods, pois chegam à potência de 120dB (volume igual à turbina de avião).

 

O que podemos sentir também é: insônia, cansaço, perda de memória, problemas de equilíbrio, queda no rendimento profissional e escolar.

 

 

CHECK-UPS médicos

 

Doenças sistêmicas, como glicemia alta, colesterol alto e diabetes, alterações emocionais, problemas cardiovasculares e uso excessivo de diuréticos e anti-inflamatórios podem interferir no sistema auditivo e acelerar o processo de perdas auditivas.

 

Como em tudo na vida, precisamos ter uma boa saúde, boa alimentação e bom senso para viver melhor!

 

 

ZUMBIDO

 

O zumbido afeta crianças, adultos e idosos. Muitas vezes, ele está associado às doenças sistêmicas que falamos acima, além de uso excessivo de antibióticos, cafeína, cerume, tumores, infecção de ouvido, pressão arterial elevada e problemas de coluna. O estresse é outro vilão que pode levar ao zumbido, pois gera desconforto em nosso corpo e vida.

 

O zumbido persistente leva, muitas vezes, à depressão, insônia e impotência sexual, afetando a qualidade de vida e a capacidade de executar as atividades diárias no trabalho e escola.

 

O zumbido tem tratamento, mas primeiro precisamos encontrar a causa: sistêmica ou auditiva.

 

É possível viver bem com uma boa audição e, assim que uma perda auditiva for encontrada, existem aparelhos auditivos muito bons, que permitem voltar a ouvir os sons da vida e viver em comunidade novamente.

Comentários

Descrição da coluna FONOAUDIOLOGIA

Outras matérias da coluna

© Vale do Caí 2013 - Todos os direitos reservados.

Gerenciamento:

Desenvolvimento: