22/01/20

Guia online de empresas

A experiência de alguém que viveu de perto a Copa do Mundo 2014

Comissária de voo Shana Liena Gartner fala de sua experiência com a realização do Mundial no Brasil

14/07/2014
Comissária Shana em jogo da Copa do Mundo 2014 (Foto: arquivo pessoal)

Comissária Shana em jogo da Copa do Mundo 2014 (Foto: arquivo pessoal)

Comissária de voo desde 2010 e trabalhando na empresa Azul Linhas Aéreas, a felizense Shana Liena Gartner, 28 anos, conta da sua experiência com a realização da Copa do Mundo 2014 no Brasil. A competição mudou sua rotina de trabalho e ela teve a oportunidade de assistir a dois jogos do Mundial. Acompanhe a entrevista!

 

 

Portal Vale do Caí: Você é ligada em esportes, em especial o futebol? Costuma assistir a jogos?

 

Shana Liena Gartner: Sou muito ligada ao futebol e procuro sempre acompanhar meu time, o Grêmio, mas, infelizmente, em virtude da minha profissão, dificulta a minha ida ao estádio, mas assisto aos jogos sempre que possível.

 

 

Portal Vale do Caí: Como você encarou o fato do Brasil sediar uma Copa do Mundo de Futebol (vê como positivo ou negativo)? Voando por esse país, que mudanças percebeu, devido à realização do Mundial?

 

Shana: Bom, como em tudo, temos os pontos positivos e negativos. Fico muito feliz por nosso país poder sediar a Copa, pois assim diversas pessoas e gerações tiveram a oportunidade de participar, sendo que, quando sediada fora, esse acesso se restringe por questões de custos. Também movimentou muito o setor turístico, onde conseguimos repassar a imagem contrária do que os estrangeiros têm do nosso país. Infelizmente, muitas obras não foram concluídas a tempo, tivemos algumas controvérsias, como, protestos e manifestações, reivindicando outros setores e áreas, que também estão em seu direito, pois algumas prioridades ficaram em segundo plano em virtude da Copa.

 

Muitas mudanças ocorreram, como obras, ampliação de aeroportos, estruturação e organização das cidades para comportar turistas, pontos de informações específicos para bem atender aos turistas e inclusive, o que notei foi a segurança e policiamento que aumentou relativamente em 100%, assim deixando a todos tranquilos em transitar e ir aos jogos sem medo.

 

 

Portal Vale do Caí: Quando surgiu a ideia de ir a um jogo da Copa do Mundo: desde que ficou sabendo que era no Brasil ou somente com a aproximação do Mundial?

 

Shana: Surgiu há uns dois anos atrás, na verdade com a aproximação do Mundial.

 

 

Portal Vale do Caí: Como foi conseguir os ingressos (fácil/burocrático)? Conseguiu eles de uma vez ou separadamente? Depois que conseguiu os ingressos, que expectativa teve em ver jogos de uma Copa do Mundo?

 

Shana: Bom, participamos, pois eram dois ingressos, um em meu nome e outro de meu namorado, da primeira inscrição para o sorteio dos ingressos em julho/2013. No caso, estávamos inscritos para as cinco partidas de Porto Alegre e uma em Brasília. E fomos sorteados para duas em Porto Alegre e a de Brasília, e recebemos os ingressos de uma vez. Foi muito burocrático, em todo o processo, digo, na inscrição, sorteio e retirada dos ingressos.

 

O sorteio foi realizado em novembro, quando ainda nem saberíamos a quais seleções assistiríamos, pois os grupos foram sorteados em dezembro. Assim, a expectativa só aumentava a cada fase do processo.

 

 

Portal Vale do Caí: A quantos jogos assistiu (onde)? Para quem torceu? Os jogos aos quais assistiu foram dentro da sua expectativa?

 

Shana: Assistimos a duas partidas em Porto Alegre: Holanda x Austrália, no qual torcemos pela Holanda, e Argentina x Nigéria, em que torcemos para Nigéria. O jogo em Brasília (Portugal x Gana), infelizmente, não conseguimos assistir.

 

Os jogos realmente foram dentro da expectativa, e até superaram, em questão de organização, a euforia da torcida, a integração das culturas e a disputa dos times com garra pela vitória, que se tornou um fabuloso espetáculo.

 

 

Portal Vale do Caí: Como percebeu a questão cultural dentro e fora do estádio: torcidas por países diferentes, torcendo e fazendo festa juntas? Como sentiu essa energia? Surgiram contatos com pessoas de outras nacionalidades?

 

Shana: Isso foi deslumbrante, pois as pessoas esqueciam a rivalidade de torcidas, faziam festa juntos, torciam juntos por times totalmente diferentes dos quais torciam. Isso era fora de sério! No jogo da Argentina e Nigéria, estávamos sentados ao lado de dois argentinos, dois campo-bonenses e, logo atrás, dois alemães, onde conversamos e saímos do jogo estendendo a festa e trocando telefones e e-mails.

 

Portal Vale do Caí: Gostaria de ter ido a mais jogos e não conseguiu (por quê)?

 

Shana: Gostaria sim de ter ido, mas infelizmente não fomos sorteados em mais jogos, mas tivemos, ao menos, a oportunidade de assistir a dois.

 

 

Portal Vale do Caí: No seu trabalho, o que mudou com a aproximação da Copa e, agora, durante a sua realização?

 

Shana: Mudou muita coisa, houve vários voos extras para suprir o fluxo de pessoas se deslocando para a Copa. E nossa empresa foi a transportadora oficial da Band (equipe de mídia), assim como mídia da Fifa e dos torcedores.

 

 

Portal Vale do Caí: Como foi “voar” durante o jogo das oitavas de final entre Brasil e Chile?

 

Shana: Foi muito emocionante, o serviço de bordo teve que ser realizado rapidamente antes do jogo, pois os clientes não tiravam os olhos das telas, e muitos ainda comentavam: “comissária termina logo, porque o jogo vai começar!”. A adrenalina aumentou, quando o jogo foi para a prorrogação e depois para os pênaltis... As pessoas ficaram muito eufóricas, gritavam, e a cada gol vibravam uns com os outros que pela primeira vez se viam.

 

 

Portal Vale do Caí: Quem você acreditava que seria a seleção campeã?

 

Shana: Bom, meu palpite era pela Alemanha, grande favorita e muito bem tecnicamente preparada, o que acabou se confirmando.

Fotos: Arquivo pessoal

Comentários

Mais entrevistas

© Vale do Caí 2013 - Todos os direitos reservados.

Gerenciamento:

Desenvolvimento: