17/01/20

Guia online de empresas

Advogada vai recorrer da cassação de vereador

Jeferson Kunrath foi cassado após ser preso por tráfico

21/12/2014  |  Vale Real  |  Política
Decisão pela cassação foi por unanimidade dos oito vereadores

Decisão pela cassação foi por unanimidade dos oito vereadores

Advogada de Jeferson Kunrath, a doutora Lacy Terezinha da Rocha diz que pretende recorrer à Justiça sobre a decisão da Câmara de cassar o mandato do vereador do PDT. “Pedi a suspensão do processo de cassação até o julgamento criminal. Como isso não ocorreu, vamos tomar as medidas cabíveis”, declarou. Lacy lembra que Jeferson está com prisão preventiva e ainda não foi julgado. Por isso entende que, caso seja inocentado, pode voltar a ser vereador. Mas não existe previsão de quando vai ocorrer o julgamento.

 

A advogada admite que o caso é complicado. Ela ingressou com pedido de liberdade e depois habeas corpus para tentar a libertação de Jeferson, mas isso não foi concedido pela Justiça. Entende também que, devido as limitações físicas, Jeferson não pode ficar num presídio comum. “Pedi a prisão domiciliar, mas também não deram”, lamenta. Ele está numa ala especial, já que depende de auxílio para se alimentar, vestir, higiene e até para as necessidades fisiológicas. 

 

 

Cassação após prisão

 

Por unanimidade, com 8 votos, a Câmara de Vale Real decidiu cassar o mandato do vereador Jeferson Kunrath (PDT). A votação do relatório da comissão de ética, onde o parecer era pela cassação, ocorreu na noite de terça-feira, dia 16, na última sessão deste ano. Por ter sido preso sob a acusação de tráfico de drogas, os vereadores entenderam falta de decoro parlamentar por parte de Jeferson. 

 

Jeferson foi preso no último dia 24 de outubro, no centro de São Sebastião do  Caí. Conforme a Brigada Militar, com o vereador e outro indivíduo, o montenegrino Luis Gustavo de Souza Silva, de 31 anos, foram apreendidos 326 comprimidos de ecstasy (droga sintética). Desde então os dois estão presos na Penitenciária Estadual de Montenegro.

 A Câmara de Vereadores de Vale Real formou uma comissão de ética para analisar se houve falta de decoro parlamentar por parte de Jéferson. Ele teve o salário suspenso e as sessões estavam ocorrendo com oito vereadores. 

 

Além do presidente da Câmara, Cesar Augusto Kiekow (PSB), a comissão foi integrada pelos vereadores Neli Schmitz (PDT) e Adair José Policeno da Silva (PSDB). O parecer da comissão foi pela cassação do mandato e o relatório foi aprovado por todos os vereadores. Jeferson foi eleito vereador em 2012, pelo PDT, com 169 votos. Estudante de direito, também é aposentado devido ao problema físico, já que anos atrás sofreu um acidente com um explosivo em que perdeu as mãos. 

 

Com a cassação, assume o primeiro suplente, Pedro Paulo Zimmer, o “Vais Cabeleireiro”, do PP, também da bancada governista, de 42 anos e que fez 127 votos na eleição de 2012. “Vais” já foi vereador e deve assumir em 3 de março, na primeira sessão de 2015, após o recesso.  

 

 

Guilherme Baptista - Jornalista

Comentários

Mais notícias

© Vale do Caí 2013 - Todos os direitos reservados.

Gerenciamento:

Desenvolvimento: