18/09/20

Guia online de empresas

Dicas para preservar o resultado após uma lipoaspiração

18/02/2013

Lipoaspiração reduz a gordura subcutânea, mas a dieta reduz também a gordura visceral.

Nem toda gordura é igual. Quando a gordura da barriga é subcutânea (por exemplo, abaixo da pele), não representa perigo para a saúde, enquanto que a gordura visceral, a qual envolve os órgãos internos, causa mais danos à saúde.

A gordura visceral é associada ao diabetes e a problemas cardíacos. Não há explicações sobre a razão pela qual isso acontece, mas especula-se que a visceral pode levar a uma inflamação prejudicial à saúde. Em comparação, embora a gordura subcutânea é a que mais aparece esteticamente e, desta forma, mais procurada para retirar, ela não parece ser tão perigosa.

Para determinar a diferença entre os dois tipos de gordura, você mesmo pode fazer o teste: tente beliscar alguém com uma barriga grande. Se você conseguir segurar uma grande parte em sua mão, provavelmente é gordura subcutânea. Caso contrário, é visceral. O modo como você perde gordura pode ser tão importante quanto a quantidade de gordura perdida.

Se você vê alguém com muita gordura na região abdominal, significa que este paciente corre um risco maior. Alguém que só tem o quadril grande, não tem o mesmo nível de risco.

Um estudo em 2004 demonstrou que os pacientes que passaram por uma lipoaspiração e perderam alguns quilos de gordura subcutânea não obtiveram qualquer benefício em sua saúde associados à perda de peso, como a redução da pressão arterial, do colesterol ou maior sensibilidade à insulina. Isto porque, para a gordura visceral, que está diretamente ligado com as questões de saúde, a lipoaspiração sozinha não irá funcionar. Em vez disso, é importante cortar calorias e fazer mais exercícios. Isto será importante para manutenção do resultado e da saúde.

Precisamos destacar também que o exercício previne o aumento de gordura após lipoaspiração.

A lipoaspiração tende a desencadear um mecanismo de reposição de gordura no organismo, caso a pessoa aumenta de peso posteriormente. É isto mesmo! Reposição de gordura. Não no mesmo local de onde o tecido adiposo foi retirado, mas entre os órgãos. A gordura subcutânea retirada, portanto, dá lugar à gordura visceral, que é o tipo mais prejudicial à saúde.

Numa pesquisa médica, descobriu-se que a adoção de uma rotina de exercícios físicos após a cirurgia é capaz de prevenir esse mecanismo compensatório. Participaram do estudo 36 mulheres sedentárias de 20 a 35 anos que se submeteram à lipoaspiração abdominal. Dois meses após a cirurgia, as voluntárias se dividiram em dois grupos: metade passou a fazer exercícios três vezes por semana e a outra metade permaneceu sedentária. O programa de exercícios adotado pelas participantes do estudo - que consistia de alongamento, exercícios aeróbicos e de força, com duração que variava de 60 a 90 minutos - foi seguido durante 16 semanas.

Observou-se que, seis meses após a cirurgia, as mulheres que não treinaram não tiveram um retorno daquela gordura que foi retirada, que é a subcutânea. Porém, tiveram um crescimento compensatório de gordura visceral, o que não ocorreu com as mulheres que treinaram. De acordo com o estudo, esse crescimento compensatório é provocado pela queda do gasto energético total das pacientes sedentárias e não pelo aumento do consumo alimentar.

A quantidade de gordura subcutânea e visceral antes e depois da lipoaspiração foi medida por exames de tomografia computadorizada realizados em um hospital. A gordura visceral é a responsável por aumentar os riscos de doenças cardiovasculares e também está associada com o surgimento da diabete.

O processo de recuperação da gordura após a lipo só ocorre se o paciente aumentar de peso. Como as células adiposas foram retiradas do tecido adiposo subcutâneo, há uma tendência, se houver aumento de peso, de aumentar a gordura visceral. Se a paciente mantiver o peso, fica como estava após a cirurgia. Então se você irá fazer uma lipoaspiração para melhorar o contorno corporal, lembre que é importante seguir um planejamento posterior com dieta e atividades físicas.

Além da prática de exercícios físicos, outro fator que contribui para melhores resultados da lipoaspiração é o paciente estar próximo de seu peso ideal antes do procedimento. A lipoaspiração ideal tem o objetivo de tirar gordura localizada e não de emagrecer. Por isso, a cirurgia não deve ser recomendada para obesos ou para pessoas que não estão em boas condições de saúde.

A mensagem principal do estudo é que os candidatos à lipoaspiração devem ter a consciência de que a gordura pode retornar depois da cirurgia, caso as recomendações médicas não sejam seguidas adequadamente. E se, mesmo assim, optarem por se submeter à cirurgia, que entendam a enorme importância de fazer exercícios depois do procedimento.

A lipoaspiração foi a cirurgia plástica mais realizada em 2011, de acordo com levantamento feito pela Sociedade Internacional de Cirurgia Plástica Estética (Isaps) em conjunto com a Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP). Em 2011, 211.208 lipoaspirações foram realizadas no Brasil. No mesmo ano, foram 148.962 cirurgias de prótese de silicone nas mamas, que havia sido a mais realizada em 2007, ano do último levantamento. O mesmo estudo aponta que o número de cirurgias plásticas passou de 629.287, em 2008, para 905.124, em 2011, aumento de 43,8%.

Comentários

Descrição da coluna CIRURGIA PLÁSTICA

Outras matérias da coluna

© Vale do Caí 2013 - Todos os direitos reservados.

Gerenciamento:

Desenvolvimento: